Assertividade – Falando sobre o famoso “DIZER NÃO”
Gostei! Quero ler mais notícias

Assertividade – Falando sobre o famoso “DIZER NÃO”

ASSERTIVIDADE não é uma palavra tão comum assim, então vamos começar falando dela.


"Assertividade é expressar suas opiniões, necessidades e sentimentos sem ignorar ou magoar as opiniões, as necessidades ou os sentimentos das outras pessoas. Ou seja, é se posicionar respeitando o outro".



Todos nós temos nossos interesses e prioridades… E em muitos momentos da vida precisamos nos POSICIONAR sobre eles. Isso, na maioria das vezes, requer falar o famoso “não”. O que não é tão fácil...


Dizem que, atualmente, metade dos nossos problemas derivam de responder sim quando deveríamos responder não.
O preço dessa atitude nunca foi tão alto.



 

OS EXTREMOS SÃO PERIGOSOS!


Eu conheço algumas pessoas que dizem “não” para tudo e conheço muitas pessoas que dizem “sim” para tudo.
Os dois são incrivelmente perigosos.


Tanto quem fala “não” para tudo (que são poucas), quanto quem fala “sim” para tudo (que, na minha opinião, ainda são muitas pessoas), a turma do “não” e a turma do “sim” são movidas por CRENÇAS e atuam no piloto automático sem pensar de forma estratégica, alinhada a metas e objetivos. Esse é o perigo!


O risco aqui é sempre o “sim” ou sempre o “não”.


E aí eu lhe pergunto: se fizer uma análise do seu dia a dia, você é do tipo que diz mais “não” ou do que diz mais “sim”? Quando você diz “não”, ele está relacionado a alguma INTENÇÃO? Ou você diz “não” por CAPRICHO?



Agora, existe outro caso…


Falamos de “sim” e “não”, mas não se esqueça da turma do SILÊNCIO, que fica no modo “à espera de um milagre” – não diz nem “sim”, nem “não”. Simplesmente não respondem achando que o problema se resolverá por si só.


Para mim, a pior das hipóteses é não se posicionar, não enfrentar a situação. A OMISSÃO.


O que normalmente acontece, para essas pessoas, é que as situações não se resolvem sozinhas.
O problema só aumenta, o prazo só diminui e a questão inicial acaba ficando ainda maior.


E com você? Acontece também?

Muitas vezes não diz nem “sim”, nem “não”, fica ali torcendo, à espera de que um milagre aconteça e as coisas se resolvam sem que você tenha de se posicionar?



FALANDO DO “MEDO”


Das muitas causas da dificuldade de se dizer “não”, a mais comum é o medo do impacto de fazê-lo.


Alguns exemplos desses impactos:

• medo de não ser reconhecido;
• medo de perder o relacionamento;
• medo de perder o emprego;
• medo de, se falar “não”, ter uma consequência negativa na carreira, ou seja, medo da reação, das consequências que o “não” irá gerar.



E aí o que acontece? Acabamos dizendo “sim” ou silenciamos, à espera de que a situação se resolva sem que tenhamos de nos posicionar. Esse medo acaba sendo intensificado pelo “cineasta” que vive na nossa mente criando mil fantasias.



Alguns exemplos:

“Se eu falar que não vou fazer, a pessoa vai ficar chateada.”
“Se eu falar “não”, ela não vai mais gostar de mim, não vai mais falar comigo.”


Ou no trabalho:
“Se eu me posicionar, se disser “não” para estabelecer limites, posso perder o emprego”.



PAUSA PARA REFLEXÃO


Aproveite este momento e reflita.
Pense nas situações em que você precisa se posicionar, em que precisa dizer “não”.


Quais são os pensamentos que aparecem?


Não se posicionar por medo é um preço alto que você precisa avaliar se está disposto a pagar.


O medo do depois, do que pode acontecer, é um grande inimigo da assertividade e lidar com ele é uma das lições que tenho aprendido e que tem facilitado muito a minha vida, é libertador.



E O QUE FAZER NESSAS SITUAÇÕES?


Aprender a lidar com o medo!


Eu tenho um artigo falando sobre a forma como lido com os meus medos.
Esse assunto daria uma semana inteira de curso, mas se quiser saber mais, acesse no blog 4BeBetter o texto chamado Chá com o medo no tubo de ressonância.



Tenho uma cliente que sentia muito medo do chefe.


Ele era do tipo autoritário, que gritava. Você já deve ter conhecido uma pessoa assim.
Ao longo do processo do coaching, ela aprendeu a lidar com o medo e começou a se posicionar. Quando ele gritava, ela não atendia. Até que ele foi à mesa dela e perguntou: “Você não está me ouvindo?”.


Ela respondeu de forma plena e calma:
“Não, desse jeito que você fala eu não escuto. Quando você quiser falar comigo, vai ter que encontrar outra forma…”.


Encontre os seus principais medos e as possíveis formas de lidar com eles para ultrapassar essas barreiras.



VOCÊ JÁ PENSOU QUE A FALTA DE ASSERTIVIDADE AFETA A SUA IMAGEM?


Seja qual for a causa da sua dificuldade em dizer “não”, ela acaba afetando a forma como as pessoas te veem. A dificuldade em dizer “não” muitas vezes acaba criando um padrão de comportamento, em que você diz “sim” para tudo.


É comum desenvolvermos a crença de que precisamos dar conta, temos de fazer… “É minha responsabilidade…”.


E assim assumimos esse pensamento como a regra padrão.
Aí não há mais questionamento se temos mesmo que fazer isso ou aquilo.


Se você está frustrado por não fazer o que gostaria, cansado e sobrecarregado, será que, se assumisse um posicionamento, dissesse mais “nãos”, se sentiria melhor?


É… fica aqui a reflexão!



As consequências de não ser assertivo afetam diretamente a sua imagem.


Normalmente as pessoas acabam desacreditando, pois sabem que não podem contar com você.


Isso porque a carga de coisas para fazer é tão grande que você acaba não dando conta de cumprir com todos os “sins” que fala. Isso acaba minando a sua energia e te faz sentir culpa por não estar conseguindo honrar com os seus compromissos e ter tempo para o que lhe é importante.



O QUE VOCÊ PRECISA TER EM MENTE AO “DIZER NÃO”
CONCEITOS IMPORTANTES



    • RESPEITO

Falemos agora da premissa básica para dizer “não” ou “sim”, para se posicionar de forma geral e estabelecer limites, o RESPEITO. De um lado existe O QUE precisa ser dito. De outro, mais importante que tudo, há o COMO dizer o que precisa ser dito.


Tenha sempre em mente que a sua resposta ou posicionamento não precisa nem deve ser carregada de fortes emoções. Você pode fazer isso com respeito à pessoa que ouve, observando o seu tom de voz e a forma como se posiciona.



    • OUVIR

A base do respeito, nesse processo, é o OUVIR. Geralmente, as situações que nos exigem posicionamento geram desconforto e, nessas horas, tudo o que queremos é que acabe o mais rápido possível e não exercitamos o ouvir.


Então, aprender a ouvir e entender qual vai ser o impacto do posicionamento é muito importante.



    • BOTÃO VERMELHO/BOTÃO VERDE

Um conceito importante para se ter em mente é a consciência do seu estado emocional e também do estado do outro. Vamos usar uma metáfora para facilitar a compreensão dele.


Imagine que todos nós temos 2 botões: um verde e um vermelho.


O botão vermelho é acionado quando entramos no modo defesa. Sem falar muito em termos técnicos da neurociência, mas explicando rapidamente, é quando a amígdala do cérebro é acionada e entramos no modo “fight, flight or freeze”, em que nossas reações se resumem a fugir ou evitar a situação, brigar e lutar contra aquilo ou simplesmente paralisar, congelar diante daquilo.


O outro botão, o botão verde, é o da abertura, da aprendizagem, do querer ouvir e do sentir-se bem.


Uma grande dificuldade na hora de dizer “não” é que a gente acaba tendo que fazer isso no calor da emoção, quando o nosso botão vermelho está acionado e a parte pensante do cérebro não funciona 100%. Nessa hora, não conseguimos ser estratégicos nem planejar com clareza o que vamos dizer.


Ter essa consciência de saber se você está com o botão vermelho acionado e, principalmente, desenvolver técnicas para pressionar o botão verde (em vez do vermelho) e saber gerenciar as emoções do outro quando o vermelho estiver acionado, traz uma vantagem incrível em termos de relacionamento e alcance de objetivos.



    • NÃO POSITIVO

Um outro conceito interessante para se ter em mente ao dizer “não” é a técnica que ganhou fama através do William Uri, cofundador do programa de negociações de Harvard e autor do livro "O Poder do NÃO Positivo".


Quando a gente diz “não” de cara, muitas vezes apertamos o botão vermelho.


A ideia principal da técnica do não positivo é dizer primeiro um “sim”, depois um “não” e fechar com um segundo “sim”.



Vou te explicar como funciona…


No primeiro “sim” você reconhece o porquê, a intenção.


Começar com um “sim” evita acionar o botão vermelho da outra pessoa, porque você começa a resposta dizendo, por exemplo: “SIM, eu entendo a sua necessidade e quero encontrar uma forma de te ajudar”. Nesse momento, você acionou o botão verde, demonstrando interesse em ajudar ou aceitar os motivos da pessoa.


O próximo passo é dizer o “NÃO”, mas você pode fazer isso de várias formas. Nesse momento, o importante é o seu posicionamento.


Por fim, encerra-se com outra afirmação positiva, um “SIM” que promove o relacionamento.


A ideia nesse momento é finalizar com um combinado ou encontrar novas alternativas.
Por exemplo: “Eu te ajudo em uma próxima situação porque nessa não vai ser possível”.


É simplesmente deixar a porta aberta.



Ter o “sim” na sua fala em dois momentos é oportunidade para expor as suas razões. Quando a gente parte direto para o “não”, nem sempre a pessoa consegue entender o que está em jogo, os bastidores. Então, incluir afirmações positivas faz com que você consiga explicar as suas intenções, as dificuldades e o impacto do que está sendo pedido.


Exemplos de situações comuns para você entender melhor…

“Preciso que você participe de uma reunião.”
“Preciso que você vá nessa viagem.”
“Preciso que faça esse relatório.”



Na hora de responder, estruture o seu posicionamento com “SIM + NÃO + SIM”.


“SIM, eu reconheço a importância desse relatório”, ou “eu posso, sim, fazer essa viagem ou participar dessa reunião…”.


“Mas/Porém/Entretanto/Todavia… Só consigo na próxima semana… Eu consigo fazer parte… Podemos planejar para uma outra data? Vamos pensar juntos em uma alternativa?”


Essas são formas de dizer “não” tendo a premissa do RESPEITO como chave.



Mas por que não ser objetivo e dizer logo o NÃO?


Quando a gente já fala o “não” de cara, acionamos o modo defesa do outro. Então, para não acionar o botão vermelho, preparamos o sucesso do “não”, criando essa base, essa abertura.


Essa técnica do vale para vida pessoal, profissional, filhos, esposa, etc.
Comece já a aplicar essa técnica. Ao invés de já responder com um “sim”, você para e pensa:



“EU PRECISO MESMO FAZER ISSO?”


Se a resposta for "SIM”:
Qual é o melhor momento para encaixar essa atividade entre o que você já tinha programado?


Se a resposta for “NÃO”:
Use o seu melhor COMO para dar uma resposta: “SIM + NÃO + SIM”.




CONTINUA… LEIA O TEXTO ASSERTIVIDADE - PARTE II


Esse artigo é uma adaptação do podcast PRODUTIVIDADE - acesse a série completa clicando aqui!



Gostei! Quero ler mais notícias