Assertividade – "DIZER NÃO" ( parte II )
Gostei! Quero ler mais notícias

Assertividade – "DIZER NÃO" ( parte II )

No artigo anterior, falamos sobre:


➙ Assertividade e perigos dos extremos:
Dizer “sim” ou “não” para tudo ou ficar no modo silêncio.


➙ Medo e a dificuldade em dizer “não”:
Como a dificuldade em dizer “não” afeta a nossa imagem.


➙ Conceitos importantes na hora de se dizer “não”:
Respeito, ouvir, botão vermelho/verde e técnica do “NÃO POSITIVO”.


Se você ainda não leu, acesse clicando aqui.



Neste artigo, vamos abordar algumas dicas para você dizer “não” com sucesso.



    • PLANEJAMENTO

 

Esteja preparado para entrar em ação quando for preciso. Comece se planejando.


Escreva uma situação e coloque a estrutura da sua resposta: “SIM + NÃO + SIM”. Escreva seus argumentos, suas razões, suas justificativas. Pratique primeiro com você mesmo até que tenha isso de forma automática.



    • FAÇA PERGUNTAS ESCLARECEDORAS

 

Voltando um pouco à premissa do respeito, para formular o seu “sim” inicial, o seu EU ENTENDO, você precisa fazer perguntas esclarecedoras. Para realmente reconhecer e entender o pedido, você deve saber o MOTIVO daquele pedido.


Essa dica vai te ajudar a formular o primeiro “sim”, porque de verdade entende a intenção, e também o seu último “sim”, que vai manter um bom relacionamento com aquela pessoa.



    • SEJA ESTRATÉGICO

 

Eu tenho falado bastante sobre ser estratégico. Saber se posicionar também é ser estratégico.


Você já deve ter ouvido falar que o que mais importa não é O QUE você vai falar, mas O COMO você vai falar.
Esta é uma regra de ouro: tenha em mente como você fala. Seja ESTRATÉGICO quando for abordar determinados assuntos sobre os quais precisa se posicionar. Não é um simples “não, eu não vou fazer!”.


Exemplo:
Recentemente, eu recusei a participação em um projeto e, em vez de dizer que não conseguiria participar, eu enviei um e-mail com todas as minhas sugestões, disse que estaria viajando naquela semana, mas que estaria disponível por telefone ou e-mail para ajudar com o que fosse preciso no projeto.



    • NEGOCIE E ENCONTRE ALTERNATIVAS

 

Em vez de se sobrecarregar, abrindo mão daquilo que você já planejou e da sua rotina, entenda a urgência da pessoa, da tarefa, sem abrir mão das suas atividades e prioridades, daquilo que é importante para você.


Alguns exemplos:

— Oi, Adriana. Podemos almoçar juntos hoje?
— Podemos almoçar, sim. Hoje não vai ser possível, mas na semana que vem a gente marca. Pode ser?


— Adriana, você pode terminar esse relatório?
— Posso sim, mas eu gostaria primeiro de pensar em uma forma mais simples de fazer isso.



Tenho uma cliente de coaching que atua como gestora de projetos em uma grande empresa e cuja rotina de viagens é intensa. Em uma sessão, ela me contou uma situação em que queriam fazer uma reunião, só que seria em outra cidade.


Ela ligou para pessoa e respondeu: “Gostaria muito de fazer parte desse projeto.
Posso, sim, agendar essa reunião; estou disponível para fazer uma videoconferência amanhã em tal hora”.

Em vez de falar que não iria à reunião, ela deu uma ALTERNATIVA e começou falando que “sim”, poderia contribuir no projeto. Você só precisa ser estratégico e encontrar formas criativas de fazer isso.


Lembre-se...
Para ter criatividade nessas situações, você precisa estar no MODO PENSANTE e não no modo reativo.



    • DÊ UMA PAUSA E SAIA DE CENA

 

A gente não precisa responder tudo de cara, na hora. Isso foi uma lição que aprendi ao longo dos anos.


Eu já me coloquei em muita situação em que fiquei sobrecarregada porque acabava respondendo “sim” no calor da emoção, de forma impulsiva, para as demandas que chegavam.


Se você perceber que o botão vermelho está acionado em si ou na pessoa com quem você está conversando, simplesmente dê um tempo. Faça uma pausa para pensar, para entender a sua agenda antes de responder.


“Preciso dar uma pensada e já te respondo.”


Deixe combinado que você dará o retorno tal dia e tal hora.
A ideia é se dar um tempo para analisar a sua resposta antes de escolher entre “sim” ou “não”.



Uma forma de adiar a sua resposta é reconhecer no seu discurso que o modo defesa foi acionado e dizer:


“Olha, percebo que você não está no seu melhor, ou eu não estou no meu melhor; ou, ainda, nós não estamos no nosso melhor, então vamos voltar a esse assunto mais tarde”.


É importante ressaltar nessa técnica que você não está anulando o que foi pedido.


Não se esqueça: Se você preza por ser uma pessoa de credibilidade, tem que realmente voltar com o assunto num outro momento e dar uma resposta.



    • SALVAR COMO RASCUNHO

 

Eu já passei por muitas situações em que reagi no calor da emoção. Muitos e-mails já enviei e já vi outras pessoas enviarem deixando bem óbvio que o botão vermelho estava acionado. Nessas horas, existe o recurso no e-mail “salvar como rascunho”.


Algumas pessoas usam a expressão SLEEP ON IT, que no português seria “dormir pensando antes de decidir ou definir algo”. Seja qual for o nome dessa técnica para você, a ideia é se posicionar depois de ter se acalmado e refletido sobre o assunto.



    • FOCO NO "COMO" E NÃO NA REAÇÃO DO OUTRO

 

Quando falamos do medo que muitas vezes temos do impacto que o nosso “não” vai causar, é porque ficamos tentando ter controle de como o outro vai reagir ou se sentir. Você não consegue ter controle sobre a reação do outro, então se preocupar com isso em vez de focar nos seus interesses é frustrante.


No entanto, a boa notícia é que você pode, sim, focar em “como” você dirá o não. Isso significa respeitar e também gerenciar a reação do outro, caso o botão vermelho dele seja acionado.



    • AUTOCONHECIMENTO

 

Você já deve ter percebido em outros artigos que tudo começa pelo autoconhecimento.


Não tem outro jeito: a gente precisa sair do piloto automático, parar e reconhecer aquilo que é importante para gente, o que se quer defender e, para isso, é fundamental saber quais são os seus objetivos e metas, do que você gosta e do que não gosta, quais são seus interesses, quem são as pessoas importantes para você e que interesses dessas pessoas você quer preservar, o que é importante na sua vida profissional, etc.


É mais difícil se posicionar quando você não sabe a fundo o que quer defender.
Então, deixei para o final, mas não significa que seja menos importante. Todas as dicas comentadas neste texto exigem um olhar para dentro de você.


Ampliar o autoconhecimento é fundamental.


Clique aqui para saber mais sobre o programa OBJETIVOS 2019
Um programa para te ajudar a definir O QUE esperar de 2019 e COMO atingir as suas metas.





FINALIZANDO…



Se você não coloca LIMITES dizendo alguns “nãos”, a balança acaba desequilibrada e compromete de forma negativa ou o seu trabalho, ou a sua saúde, ou seus relacionamentos, etc. Um grande risco de ser a pessoa que diz “sim” para tudo é acabar se sobrecarregando.


Lembre-se de que, ao dizer “não” para os outros, está dizendo “SIM” PARA VOCÊ!


Como Caroline Webb diz no seu livro How to have a good day, “é como se você estivesse conhecendo um novo superpoder, isso te dá a habilidade de fazer com que todo mundo se sinta bem sobre a sua escolha, incluindo você mesmo”.



Comece agora a colocar as técnicas em prática.


Como sempre falo para os meus clientes, não precisa acreditar em mim, faça pequenos experimentos.


Dê um passo pequeno, que esteja dentro do seu limite e tenha baixo impacto.


Faça diferente e veja como se sente em relação a isso e quais os impactos da sua ação.
Pouco a pouco você vai trilhando um novo caminho no seu cérebro, vai ensinando que pode ser diferente, começa a mudar o hábito do pensamento até que se torne AUTOMÁTICO.


Siga de forma estratégica quando for colocar limites, sendo fiel aos seus valores e a quem você é.




ESSA É A CONTINUAÇÃO DO TEXTO ASSERTIVIDADE - PARTE I


Esse artigo é uma adaptação do podcast PRODUTIVIDADE - acesse a série completa clicando aqui!



Gostei! Quero ler mais notícias